Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

KITS HIDROPÓNICOS: O MAIS RECENTE ALIADO DO AGRICULTOR DE SOFÁ

Mäyjo, 14.09.15

Kits hidropónicos: o mais recente aliado do agricultor de sofá (com VÍDEO)

Já pensou em cultivar alfaces, espinafres, brócolos, pimentos, salsa, coentros ou morangos na sua varanda, terraço ou jardim? Uma empresa portuguesa está a comercializar kits hidropónicos, simples de montar e que podem economizar até 70% de água nas culturas.

A hidroponia é um sistema em que as plantas recebem água corrente e nutrientes sem recurso a terra, a não ser aquela que vem do viveiro, agarrada à raiz. “Em média, uma alface de 300 gramas pode custar entre 60 a 70 cêntimos. Mas se adquirirmos um pé de alface num viveiro, com um custo entre cinco a seis cêntimos, conseguimos pôr 60 plantas no kit, com um custo de manutenção de €6”, explicou ao Economia Verde Filipe Magro, CEO da HortaNova.

As contas de Filipe não incluem o custo do kit, que ronda os €300, mas é um investimento de médio e longo prazo que rapidamente pode ser rentabilizado. O kit funciona com um depósito com capacidade para 50 litros de água. As tubagens também já estão incluídas.

Segundo Filipe Magro, um principiante deverá começar por plantar alfaces, agrião, espinafres, salsa e coentros. “São as mais fáceis e menos problemáticas, para quem começa”, explicou. Depois, quando ganham mais experiência, os agricultores de sofá podem fazer novas apostas.

O kit já traz um livro de conselhos para a montagem, mas todas as dúvidas podem também ser tiradas por email ou telefone.

Em breve, este kit estará também à venda em viveiros de todo o país. “É interessante para eles, uma vez que fazem um escoamento mais rápido das plantas se venderem os kits”, concluiu Filipe Magro.

Veja o episódio 251 do Economia Verde, dedicado à agricultura de sofá.

Espanha quer território português

Mäyjo, 14.09.15
 
A Espanha apresentou à Organização das Nações Unidas (ONU) um proposta para acrescentar quase 300 mil quilómetros quadrados ao seu território marítimo. Um plano que inclui o território português das Ilhas Selvagens – visitadas por Cavaco Silva em Julho de 2013 e que administrativamente pertencem a uma freguesia da Madeira – e uma aérea também reivindicada num semelhante pedido português de expansão territorial.

“É a maior ampliação de soberania desde Cristóvão Colombo”, disse ao El País Luis Somoza Losada, líder da equipa espanhola encarregada de redigir o plano apresentado à ONU a 17 de Dezembro. Madrid, à semelhança do que havia ido feito por Portugal em 2009, aproveita assim a norma da ONU sobre os Direitos do Mar para ampliar a sua zona económica exclusiva de 200 para 350 milhas desde as fronteiras terrestres.



Segundo o diário espanhol, são cerca de 10 mil os quilómetros quadrados incluídos no plano que também são reclamados por Portugal. Parte deles, as ilhas selvagens, já fazem parte do território português, mas o novo plano espanhol abre uma nova disputa, na zona marítima situada a Oeste da Madeira.

O responsável pelo plano espanhol antecipa que o problema será resolvido com negociações bilaterais, que poderão levar à divisão dos territórios disputados. Previsão semelhante à de uma investigadora portuguesa do Centro de Estudos Jurídicos Económicos e Ambientais citada no mesmo artigo do El País.

Os espanhóis assumem ainda que o plano tem como objectivo a “exploração dos recursos naturais” das áreas pretendidas. Somoza Losada diz que a existência de gás na região é certa, faltando saber se é “rentável extrai-lo”. “Também pode haver petróleo”, diz o coordenador de uma equipa de sete civis e seis militares formada pelo Governo espanhol para desenvolver o plano.
 
in: SOL / El Pais